Recurso Humano, Solução Humana, mas onde entra o SER HUMANO?

Organizações / Corporações contemporâneas utilizam nomenclaturas muito mais charmosas e porque não dizer, mais adequadas, para o famoso departamento de RH; hoje temos: departamento de Gente e Gestão, área de Desenvolvimento Humano, equipe de Soluções Multidisciplinares, enfim, as designações são lindas, e com certeza, hoje, se faz muito mais do que nos idos da década de 1990.

Mas uma questão me inquieta desde tal época até os atuais dias; porque o SER HUMANO jamais é visto como “core” business, ainda que o material, o produto, o serviço da empresa, o “business” da empresa seja outro?  Por que em nenhum momento os CFO’s, CEO’s e todos os “O’s” das Corporações nunca pensaram em ter SERES HUMANOS como “business”.

Desde a Revolução Industrial evoluímos absurdamente e diria eu, que nunca passou pela cabeça de gênios como Einstein, Da Vinci, Voltaire, Kepler, Galilleu, e tantos outros Iluministas e gênios da Física, nem no mais jovem de todos, Stephen Haking, que a evolução humana seria tão absurdamente célere.

O ser humano portador de tanta sapiência esqueceu-se apenas de uma coisa, em toda sua corrida ao desconhecido, em toda sua ânsia do saber, esqueceu-se de si, de ser HUMANO.  E em todo este “esquecimento” ele também esqueceu o outro, aquele com quem compartilha, aquele com quem convive no mesmo lar, com que troca experiências afetivas, com quem troca experiências emocionais, afetivas, intelectuais, filosóficas, sociais, em troca de saber cada vez mais, na procura desenfreada do SUCESSO, do SABER, do TER, ele abriu mão de SER HUMANO.

Por que as Organizações não veem os Seres Humanos como “core business”?  Porque para isso, antes de tudo teria ela (Corporação- CFO’s, CCEO’s – e todos os “O’s”) que estar preparada para efetivamente receber estes SERES e mostrar-lhes que apesar do “business” de sua empresa buscar lucrar, ter sucesso financeiro com XXX produto, o que de mais valioso a empresa de fato possui, são aqueles SERES.

Fácil?  Nem um pouco  

Possível?  TOTALMENTE

O que é preciso? Uma Organização CORAJOSA, com um “staff” corajoso, disposto a experimentar a maior e melhor mudança que tenham vivido em suas vidas.

 Steve Jobs, dizia: “ Tenha coragem de seguir seu o que seu coração e sua intuição dizem.  Eles já sabem realmente o que você deseja.  Todo o resto é secundário.”

Uma coisa eu lhes afirmo:  O CORAÇÃO NUNCA ERRA, NUNCA!!!Organizações / Corporações contemporâneas utilizam nomenclaturas muito mais charmosas e porque não dizer, mais adequadas, para o famoso departamento de RH; hoje temos: departamento de Gente e Gestão, área de Desenvolvimento Humano, equipe de Soluções Multidisciplinares, enfim, as designações são lindas, e com certeza, hoje, se faz muito mais do que nos idos da década de 1990.

Mas uma questão me inquieta desde tal época até os atuais dias; porque o SER HUMANO jamais é visto como “core” business, ainda que o material, o produto, o serviço da empresa, o “business” da empresa seja outro?  Por que em nenhum momento os CFO’s, CEO’s e todos os “O’s” das Corporações nunca pensaram em ter SERES HUMANOS como “business”.

Desde a Revolução Industrial evoluímos absurdamente e diria eu, que nunca passou pela cabeça de gênios como Einstein, Da Vinci, Voltaire, Kepler, Galilleu, e tantos outros Iluministas e gênios da Física, nem no mais jovem de todos, Stephen Haking, que a evolução humana seria tão absurdamente célere.

O ser humano portador de tanta sapiência esqueceu-se apenas de uma coisa, em toda sua corrida ao desconhecido, em toda sua ânsia do saber, esqueceu-se de si, de ser HUMANO.  E em todo este “esquecimento” ele também esqueceu o outro, aquele com quem compartilha, aquele com quem convive no mesmo lar, com que troca experiências afetivas, com quem troca experiências emocionais, afetivas, intelectuais, filosóficas, sociais, em troca de saber cada vez mais, na procura desenfreada do SUCESSO, do SABER, do TER, ele abriu mão de SER HUMANO.

Por que as Organizações não veem os Seres Humanos como “core business”?  Porque para isso, antes de tudo teria ela (Corporação- CFO’s, CCEO’s – e todos os “O’s”) que estar preparada para efetivamente receber estes SERES e mostrar-lhes que apesar do “business” de sua empresa buscar lucrar, ter sucesso financeiro com XXX produto, o que de mais valioso a empresa de fato possui, são aqueles SERES.

Fácil?  Nem um pouco  

Possível?  TOTALMENTE

O que é preciso? Uma Organização CORAJOSA, com um “staff” corajoso, disposto a experimentar a maior e melhor mudança que tenham vivido em suas vidas.

 Steve Jobs, dizia: “ Tenha coragem de seguir seu o que seu coração e sua intuição dizem.  Eles já sabem realmente o que você deseja.  Todo o resto é secundário.”

Uma coisa eu lhes afirmo:  O CORAÇÃO NUNCA ERRA, NUNCA!!!

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Centenas de templates
  • Todo em português

Este site foi criado com Webnode. Crie um grátis para você também!